TV & Séries

As ‘milhões de razões’ para ver ‘Five Foot Two’, documentário da Lady Gaga que saiu na Netflix

As ‘milhões de razões’ para ver ‘Five Foot Two’, documentário da Lady Gaga que saiu na Netflix

Eu gosto de Lady Gaga, mas não me considero fã. Nunca comprei um álbum da cantora até que no ano passado me apaixonei por Joanne e comprei o CD físico. Para mim como jornalista eu tinha a necessidade de entender os motivos de uma artista completa se esconder atrás de figurinos polêmicos, extravagantes e chocantes no início da sua carreira. O que Lady Gaga queria dizer?

Felizmente encontrei a resposta no documentário Gaga: Five Foot Two produzido pela Netflix e disponível na plataforma desde a última sexta-feira (22). A própria cantora explica que os produtores queriam que ela fosse sexy, pop, queriam moldá-la do jeito deles. A única forma que Gaga encontrou para tentar se manter no controle era fazer o contrário.

O documentário não mostra apenas o glamour de uma das maiores performers da atualidade, mas sim a rotina diária de Stefani Joanne Angelina Germanotta (verdadeiro nome de Lady Gaga) desde o início da produção do último álbum até a apresentação do seu show no Super Bowl, em fevereiro deste ano.

Em meio ao processo de gravação do álbum, visitou a avó para recolher mais informações sobre a tia Joanne, a quem dedicou o álbum, que morreu aos 19 anos de complicações relacionadas com lúpus. Nessa mesma visita, mostrou a canção que dá nome ao álbum à sua avó paterna. “É uma canção muito bonita”, diz-lhe a avó no momento em que o pai abandona a sala, visivelmente emocionado.

“Five Foot Two” acompanha Gaga em viagens e shows, e retrata a cantora lidando com sua recém-revelada doença: fibromialgia. Vemos sua imagem fragilizada, deitada, aos prantos, e recebendo diversos tratamentos. Em um dos momentos mais tocantes do filme, pouco antes do show no aniversário de 90 anos de Tony Bennett, Gaga reflete:

Fico pensando em pessoas que passam por isso e não tem o dinheiro para receber o tratamento que eu recebo. Se eu não tivesse condições, eu não sei o que eu faria.

Lady Gaga sempre muito cercada por pessoas da sua equipe e numa crise de choro, confessou:

Estou sozinha, todas as noites. Todas estas pessoas vão embora e eu fico sozinha.

O documentário, tocante, conseguiu mostrar a face da artista e do ser humano. Estando Lady Gaga, ela inspira muitas pessoas através do seu trabalho e faz muitos jovens se aceitarem da forma como são. Como Stefani, vem sendo verdadeira e corajosa em não esconder suas dificuldades, inseguranças e a luta contra as doenças.

Só um grande ser humano abre seu coração e se expõe dessa maneira, por isso, Lady Gaga ou Stefani merece todo o nosso respeito e carinho.